quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Um assunto que me tira o sono... literalmente!


Com relação às visitas logo após o nascimento do bebê. Dureza. Se é no hospital, acho que dá pra encarar. Afinal de contas, a gente tá lá mesmo imprestavelmente deitada na cama e as enfermeiras fazendo o serviço pesado.
Mas depois que se vem pra casa... aiiiinnnn... aí o bicho pega. São noites em claro, os pontos latejando de dor, barriga inchada e cheia de gases, seios vazando leite, sono atrasado. Então a maldita campainha toca bem quando você finalmente fez o bebê dormir e está indo aproveitar aquele momento sagrado para poder ter um descanso digno. E aí? O que fazer? Esse assunto é polêmico, aposto que vai ter muita gente horrorizada com a minha opinião. Como eu disse, é a MINHA opinião. E juro que não to nem aí pra quem achar ruim...
Continuando na minha opinião, as tais sociais deveriam acontecer pelo menos após uns 20 dias após o nascimento da criança. Por diversas questões, principalmente o bem estar de mãe, pai e filho.

Não sou a única a pensar assim, talvez sim uma das poucas que tenham coragem de publicar. 
Estava eu passeando por um blog e encontrei esse relato:

"...Visitas:
Como foi dito acima, as visitas ADORAM acordar o bebê!E também adoram chegar sem avisar, ficar horas sem nem se perguntar se a mãe quer um descanso. Receber visitas em casa foi muito desgastante pra mim e pro Bryan.Tinha aquelas visitinhas sensatas, do tipo: ela não está acordada? então deixa ela dormir porque ela precisa.
Masss tem aquelas totalmente sem noção que chega falando alto,querendo pegar o bebê no colo mesmo com ele dormindo e te deixa de cabelo em pé com tanto conselho e blá blá blá sobre como se cuida de um bebê (engraçado que os conselhos sempre vem de gente que nem tem filho).
Se você não se sente bem com isso deixe bem claro que prefere que te visitem no hospital.Pois acredite,quando você chegar em casa verá que qualquer minutinho de sono é um ganho, e o tempo que você perder com a visita poderia estar recarregando as energias para a madrugada.
"

Peço à dona do blog que me perdoe pelo fato de eu ter copiado descaradamente cada palavrinha do texto. É que está perfeito, casando exatamente com tudo o que penso.
Queria desde já deixar registrado um pedido. A quem tiver intenção de visitar, se não puder esperar pelo menos uns 20 dias, que vá ao hospital em horários determinados para visitas. Pode parecer hostil um pedido desses, mas eu não vou ter ajuda aqui em casa e não quero essa ajuda justamente por querer viver o meu momento, sem me dispersar. E para tal, eu precisarei de muita energia, que não deverá ser usada em outro propósito senão cuidar do meu filhotinho.
Outra coisa que não farei: acordar o Miguel para que o vejam desperto. Nem pensar. Com gripe? Não vou deixar. Amamentação apenas eu e ele. Não quero ninguém olhando pra minha teta. Haverá também um horário para receber, preferencialmente quando o Flávio estiver comigo. São decisões que pensei durante todo esse tempo, visando o bem estar de todos aqui de casa. E que compartilho totalmente com meu marido. Estaremos nessa juntos!
Complementando o assunto, não sou apenas eu que penso assim, ou melhor, que QUERO desta forma. Sites especializados dizem o mesmo. De acordo com o TopBaby:

" O bebê chegou

Você quer, no mínimo, viver com tranqüilidade as primeiras horas com seu bebê. E bem merece este descanso depois do parto.
Quanto ao batalhão de amigos, evite aquele permanente entra-e-sai. Eles entenderão que você prefere vê-los com calma, quando já não estiver tão atrapalhada com os desconfortos pós-parto, como dores, gases, pontos da cesariana e, é claro, com as mamadas iniciais. O bebê também agradece pelo bom-senso. Afinal, está fazendo o maior esforço para se adaptar ao mundo novo. Assim, precisa de um certo silêncio e, sobretudo, de ficar bem longe de vírus e bactérias.

Mandamentos do visitante

Telefonar antes, comunicando a intenção de dar os parabéns aos papais. É indispensável perguntar quando e onde (casa ou maternidade) eles preferem receber a visita. E também combinar a melhor hora para ir conhecer o bebê. Se você está do outro lado da ligação, responda com sinceridade o que é bom para todos.

Grande parte das maternidades proíbe que haja flores no ambiente em que está o recém-nascido, pois podem provocar alergias. Caso a pessoa não abra mão de levar um buquê de margaridas ou de flores do campo, não pode se importar se tiver que deixá-la em um jarro, do lado de fora da porta do quarto. Papai e mamãe: cumpram esta norma hospitalar que visa, unicamente, o bem-estar de seu filho.

Chocolates para quem acabou de ser promovida à mamãe é um presente simpático. Mas, provavelmente, ela guardará a caixa de bombons para mais tarde. Depois do parto, leva algumas horas até que se normalize a função intestinal. E, até lá, vale beber muita água.

Simplesmente não deve aparecer na maternidade quem está com tosse, coriza ou qualquer sintoma de um resfriado. Recém-nascidos não têm suas defesas bem desenvolvidas, sendo mais sujeitos a um contágio indesejável de vírus e bactérias. Melhor não arriscar, mesmo que seja sua maior amiga. Sugira, sem qualquer cerimônia, que o abraço fique adiado.

Nunca é demais lembrar: visitas devem lavar as mãos, logo ao chegar, antes de tocar o bebê. Caso os pais não percebam esta iniciativa, não se acanhem em sugerir, delicadamente, mostrando onde é o banheiro.

As primeiras mamadas representam uma experiência nova para mãe e filho, exigindo todo um esforço de adaptação. Por isso, precisam ficar a sós. A hora parece ideal para o visitante beber água, checar os recados no celular ou dar uma olhada na lojinha da maternidade. Quem sabe lá não encontra o presentinho que não teve tempo de comprar? Se o neném não pega o seio, a mulher está aflita e as pessoas não percebem que devem sair do quarto, o pai entra em campo e dá a idéia de irem juntos curtir um cafezinho.

Um sinal na testa, igual ao do tio avô. Com duas horas de vida, o neném da fulana já ficava o tempo todo de olhos abertos. Não é indicado fazer qualquer tipo de comparação. Fuja delas, se você é a visita. Se estiver do outro lado do comentário, finja que não ouviu, simplesmente esqueça.

Sinal vermelho também para os palpites. Mesmo a enfermeira do berçário deve poupar vocês de comentários do tipo: ponha para arrotar; ele está é com o nariz entupido; se fosse eu, chamaria o pediatra. Deixe que o casal resolva por conta própria. Visita é só platéia. Papai e mamãe, tomem decisões, ajam diante dos pequenos problemas que surgirem. Ninguém entende melhor de seu neném que vocês dois.

Quem não tem com quem deixar as crianças pequenas, para ir conhecer o recém-chegado, que não vá. Elas são barulhentas e ficam irrequietas enquanto os adultos conversam.

Tudo certo até agora? Então, feche com chave de ouro: não se estenda demais na visita. Mesmo sendo a mais querida das amigas, corre o sério risco de se tornar inoportuna. Se o seu filho é o alvo das atenções e as pessoas demoram muito a sair, agradeça a visita e diga que vai mesmo aproveitar para descansar um pouco. O bebê agradece o seu bom-senso.
"


 

4 comentários:

Lica disse...

hahahahhahah! Oi amiga querida!AMEI esse post...Sabe, vou deixar ele guardadinho aqui comigo e quando eu estiver pra poarir, vou entregar ele à minha sogrinha......kkkkk
Como tem gente sem noção no mundo né?

Bjokas flor!

Maíra disse...

Adriana, bom dia!!!
Concordo plenamente com vc em tudo... e sabe que a cada dia que passa penso mais nesse assunto... pq sei que tem pessoas da família do meu marido que não tem semancol.... e só de pensar já me irrita a beça... mas não quero nem saber... vou falar mesmo, doa a quem doer....
Se eu sentir necessidade de deitar e descansar ponho todo mundo pra correr....rs
Bjão e boa sorte pra nós....rs

Lívia disse...

Eu acho que vc está certíssima Adriana!!!! Eu, particularmente, acho que as visitas deveriam começar depois de 1 mês do bebê (para os pais terem um tempo de adaptação à nova realidade). Os parabéns pelo bebê podem ser dados por telefone, correio, sms, email, twitter (hj em dia tem tantas possibilidades).
Parabéns pelo blog!! Está muito bacana!

Denise disse...

Oi Dri!
Pior que é isso mesmo - a mãe um caco, cansada, acabada, querendo um segundo de paz (pra poder fazer xixi ou comer uma comidinha quente) daí chega visita atrás de visita, ficam horas a fio falando e conversando, você puta, o nenê acorda aos berros, TODOS querem ver você semi-nua e semi despencada dando o peito para a criança... Além disso, TODOS querem pegar e beijar seu nenê (que raiva, que ciúmes) vai saber onde andaram as mãos? se a pessoa está com gripe se tem algo que seu bebê indefeso possa pegar...
Sempre fui tri-chata com isso, tens meu apoio pra deixar bem claro que: visitas? no hospital please, em casa, só depois de 2 meses, com hora marcada!